Agrupamento de Escolas de Gondifelos

Informações

Ferramentas

Blogs

A acontecer

Contratação

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

MigDesenvolvimento Out2019Clube Europeu AEG proporcionou mais um pretexto e oportunidades de reflexão sobre uma realidade por demais atual e premente. Desta feita o assunto foi “Migrações e Desenvolvimento” e a iniciativa  teve por base uma exposição e uma palestra com esse título.

 

A exposição itinerante  (patente na escola sede até ao dia 16 do corrente mês de outubro) foi disponibilizada pela Cáritas Portuguesa e a palestra foi feita pela Dr.ª Eugénia Quaresma, diretora da Obra Católica Portuguesa de Migrações, no passado dia 4 de outubro. A sessão de sensibilização e esclarecimento complementou e enquadrou a exposição itinerante “Migrações e Desenvolvimento”.

Estas iniciativas inserem-se no conjunto de atividades previstas no âmbito do projeto MIND (Migrações. Interligação. Desenvolvimento), promovidas no nosso país pela Cáritas Portuguesa, e têm como principais objetivos:
- Desafiar o público mais JOVEM a conhecer melhor e a refletir sobre a realidade do fenómeno das Migrações e a sua íntima relação com o Desenvolvimento Humano;
- E promover o debate sobre: Migrações e Desenvolvimento; Factos e mitos sobre migrações; Emigração e imigração em Portugal; Migrações forçadas; A Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável; A contribuição dos migrantes para o Desenvolvimento; Os Pactos Globais sobre Migrações e Refugiados e os 20 Pontos de Ação.
Na sua apresentação, a Dr.ª Eugénia Quaresma centrou o trabalho das várias instituições de apoio a (e/i)migrantes e os serviços disponíveis em torno de quatro palavras-chave: ACOLHER, PROTEGER, PROMOVER e INCLUIR/INTEGRAR para assegurar o sucesso da integração dos migrantes e garantir histórias com um final feliz. Como disse numa entrevista à Rádio Renascença (e se pode ler no Roteiro de apoio à exploração da exposição a que os alunos têm tido acesso): “É muito importante trabalhar nas causas da emigração forçada e fazer cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que passam pela erradicação da pobreza, por mais e melhores condições de saúde, pela educação e pela justiça. O combate à corrupção e ao tráfico humano, por exemplo, dependem da justiça funcionar efetivamente.”
Vivemos tempos em que urge a reflexão sobre o fenómeno migratório: as suas causas, as medidas de apoio a quem chega e parte e a aliança entre a razão e os afetos para minimizar os dramas pessoais e potenciar a partilha das experiências de vida e das heranças culturais que todos trazem consigo.
Embora estas iniciativas tenham como público-alvo privilegiado os jovens, é certamente do interesse de toda a comunidade compreender melhor este tema da atualidade.

Scroll to top